O Velório


Ele chegou à noite, por volta das 23 horas, na capela Santo Antônio de Governador Valadares e foi recebido por seus familiares e por centenas de pessoas, entre seus amigos, jovens e adultos, enfim, todo tipo de pessoa que de uma maneira ou de outra tinham ligações com ele.

Ficamos ao seu lado, e como sempre segurando em suas mãos a todo tempo. Uma dor profunda, indescritível, que não nos deixava pensar, enquanto as lágrimas deturpavam a visão, acho que aconteceu assim com todos, nublava as imagens, as pessoas e todos ao redor.

Muitos abraços fortes e profundos de quem às vezes nem conseguíamos ver, só sentíamos o calor e o afago. Ouvíamos sim, as palavras reconfortantes e carinhosas de cada um. Muito cheio, muitas pessoas, todos vieram, muita emoção e muito sofrimento.
Passamos a noite e o outro dia em pé, ao seu lado, só recebendo amigos e sendo consolados. Percebemos o quanto ele foi, é, e continuará sendo amado por todos. Deixou muitos exemplos bons, apesar de ter pouca idade, que nós da família nem sabíamos. “Você era Você… Sempre foi você em Tudo”.

Na maioria das vezes não dava para retribuir, para responder, nem falar nada. Naquela hora não tínhamos mais reações, somente uma mistura de emoções… o que conseguíamos fazer era balançar a cabeça em agradecimento.

Seus amigos era a riqueza que mais gostava de exaltar… amigos de Valadares, Rio e de outros tantos lugares, da Faculdade de Medicina, da república onde viveu, das festinhas em nossa casa em GV… são lembranças que marcaram nossos corações e nossas mentes. Nunca esqueceremos nenhum deles, pois já estão gravados em nossas memórias para sempre.
O texto lido pela Taís na cerimônia de despedida, representando todos os amigos, e as palavras do Diácono José Álvaro Pimenta (pai da Mari) foram muito importantes, foi como um bálsamo para todos nós naquele momento, aquilo foi inesquecível.
O último adeus no cemitério Santo Antônio, quando seu corpo foi devolvido a terra e seu espírito a Deus, das únicas coisas que me lembro, foi que o vi pela última vez e pude olhar para cada um, das centenas de amigos e familiares que lá foram prestar sua última homenagem e pela última vez ver o corpo daquele jovem, Carlos Perim, Dr. CORAGEM, o anjo, o Nicolinha.

Jogaram flores e o cobriram de terra, deixando-o junto com seu avô Fausto Perim, em sua última morada aqui na Terra. Certamente dali subiu, olhou para todos, deu um adeus, sorriu e foi morar com Aquele a quem ele foi entregue – FOI SER UM ANJO NO CÉU.

Não temos mais o que falar aqui, apenas que cada um se lembre dele como ele foi.

Carta escrita e lida pelos amigos de Governador Valadares momentos antes do último ADEUS

 

Tem tanta coisa que eu gostaria de dizer, mas as palavras não me vêm.

Então, vou me limitar a repetir o texto que li na sua despedida hoje.

“Quando Deus decidiu criar o Carlos, ele não poupou nas qualidades. Colocou nele os traços mais encantadores e muito amor pela vida. Recheou de carisma, amizade e dedicação.

Concedeu à ele o sorriso mais lindo e uma generosidade que não se vê em qualquer canto.

thais byrroNão satisfeito, finalizou com um par de olhos azuis e o maior coração que encontrou.

Mas Ele queria mesmo era fazer “A exceção” e destinou o Carlos a mudar a vida de muita gente aqui na Terra. E foi aí que nós entramos na jogada.

Dizem que medimos uma amizade não pelo que sentimos por outra pessoa. Mas sim pelo que essa pessoa nos faz ser e sentir quando estamos juntos.

E o Carlos sempre foi um amigo que nos fazia sentir alegria, paz, serenidade.

Estar na presença dele era sempre motivo de boas risadas e ótimos momentos.

Como era lindo o dono do sorriso-luz e dos lindos olhos azuis. Mas mais linda ainda era sua alma: pura, nobre, generosa.
Sempre preocupado e carinhoso com todos à sua volta, ele tinha um jeitinho único de trazer cor à dias escuros.
Nesse momento, é difícil compreender e aceitar os desígnios de Deus. São muitas as dúvidas e questionamentos. Mas, maior do que a dor que nos assombra agora, é a gratidão à Deus por ter nos emprestado durante 22 anos esse anjo.

Somos privilegiados por termos tido o Carlos em nossas vidas e por podermos desfrutar da companhia e amizade dele.
Hoje, nos despedimos do nosso amigo com o coração em pedaços, mas com certeza de que ele cumpriu sua missão de fazer esse mundo um pouco melhor e agora descansa ao lado do Pai.

Sem dúvidas, ele deixou um pedacinho dele em cada um de nós e seu sorriso nunca será esquecido.

Fique em paz, meu amigo. E já que você não pode mais cuidar da gente aqui, cuida da gente daí.

Te amamos muito. E estamos certos de um dia te reencontrar.”